"Guerra de Fake News"


Autor:

Luciano de Lima é Advogado e Irmão na Irmandade do Divino Espírito Santo

(Fonte : reprodução internet)

Fake News: coube ao presidente americano Donald Trump popularizar internacionalmente a expressão, colocando-se sempre em condição de vítima.

Aqui, com a proximidade das eleições em outubro, o tema é alvo de debates e campanhas. O Whatsapp divulgou que irá restringir ao máximo de 20 destinatários o encaminhamento de mensagens simultâneas como medida para impedir a disseminação das notícias falsas.


(Fonte Foto: http://www.historiadetudo.com/guerra-do-contestado)

Fake News tinha outro nome antes: boato. E não é de hoje que causa consequências desastrosas. Santa Catarina já sofreu gravemente com isso. No final do século 19 e início do 20, Santa Catarina e Paraná estavam envolvidos em uma disputa eminentemente jurídica pela demarcação de uma área, cujo apelido passou a ser “do Contestado”.

O Estado de Santa Catarina foi o autor da ação judicial, sob patrocínio do Conselheiro Mafra, e o Paraná foi defendido por Rui Barbosa. Como toda disputa judicial, seu deslinde já se arrastava no tempo e a terra contestada se tornou quase uma terra sem lei.

Benefícios concedidos à empresa estrangeira, aliados à carência absoluta dos habitantes da região, agora bob a liderança questionável de um monge messiânico, criaram as condições para o surgimento de um bando organizado – e desesperado – de camponeses.